icone voltar 2.png
Glaucio Cardoso

Glaucio Cardoso é poeta e ator teatral. Diretor da Cia. Leopoldo Machado de Arte Espírita. Editor do Garimpo – Mensário de Poesia e Espiritualidade. Autor de 5 livros publicados.

Nome Completo:

Glaucio Varella Cardoso

UF:

RJ

Cidade:

Mesquita

Artes:

Teatro, Poesia

Grupo:

Cialemarte

Associou-se à Abrarte em

2008

icone botão.jpg
icone botão.jpg
icone botão.jpg
icone botão.jpg
icone botão.jpg
icone botão.jpg

Glaucio Varella Cardoso nasceu em 11 de novembro de 1976, natural de Mesquita, município da Baixada Fluminense, Rio de Janeiro, onde fez seus primeiros estudos e começou a trabalhar muito cedo.

Bacharelou-se em Letras, na habilitação Língua Portuguesa - Literatura Brasileira, pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) em 2005.
Pela mesma instituição conquistou o grau de Mestre em Literatura Brasileira em 2009, apresentando a dissertação “Poesia Lida: Poesia Falada (Poesia, Performance e Recepção: Aspectos Teóricos e Práticos)”, sob a orientação do Prof. Dr. Ítalo Moriconi.
Atualmente é doutorando em Teoria Literária.

É ator teatral desde 1988, sendo atualmente o diretor geral da Cia. Leopoldo Machado de Arte Espírita (Cialemarte) na qual já escreveu e dirigiu diversas peças teatrais atuando também como ator nas mesmas.
É performer de poesia, sempre buscando novas maneiras de dizer versos alheios e eventualmente os próprios.
Membro da Associação Brasileira de Artistas Espíritas (Abrarte), na qual tem colaborado inclusive como organizador do periódico “Cadernos de Arte”.

Em 2001 conquistou o Prêmio Deolindo Amorim, concedido pelo Instituto de Cultura Espírita do Brasil (ICEB), ao participar do 1º Concurso de Monografias Espíritas das Mocidades Espíritas do Brasil, com o ensaio “Em defesa de um Teatro Espírita”.
Em 2011 publicou seu primeiro livro de poesias, Enquanto Clara dormia, com prefácio de João Prado.
Em 2012 publicou Sopros e outros poemas, com prefácio de Merlânio Maia.
Em 2013 publicou Em defesa de um teatro espírita, versão revista do trabalho de 2001 e com apresentação de Cezar Said.
Em 2015 publicou La commedia è finita (poemas), como posfácio de Thales de Oliveira.
Em 2018, pelo Clube de Arte, publicou Caminhos (poemas).
Já publicou artigos e poemas em periódicos e antologias.


DSC_0838.JPG